Ligadura de Trompas

Ligadura de Trompas

          

O que é ligadura de trompas? A ligadura de trompas, também chamada de laqueadura tubariana, é uma forma permanente de esterilização feminina na qual os tubos de falópio são cortados e/ou ligados cirurgicamente de modo a prevenir a fertilização. A ligadura de trompas pode afetar a produção hormonal, ciclo menstrual e libido. Mundialmente a esterilização feminina é usada por 33% das mulheres casadas que utilizam contracepção, fazendo deste o método anticoncepcional mais comum. Procedimento de ligadura de trompas A ligadura de trompas pode ser feita de várias formas: por acesso vaginal, laparoscopia, mini-laparoscopia ou laparoscopia regular. Há várias técnicas para ligadura de trompas, sendo que a mais comum é o tipo Pomeroy descrito por Ralph Pomeroy in 1930. A ligadura de trompas pode ser feita com anestesia local ou geral. Ligadura de trompas e legislação brasileira No Brasil, o procedimento para ligadura de trompas está regulamentado pela Lei 9.263 (Lei Sobre Planejamento Familiar), de 1996 (art.226 da Constituição Federal). Segundo essa Lei, a mulher precisa ter mais de 25 anos ou dois filhos para ser submetida à ligadura de trompas. Além disso, ela também precisa de uma reunião de Planejamento Familiar e entrevista com assistente social para fazer a ligadura de trompas. A ligadura de trompas também não pode ser realizada logo após o parto ou a cesariana, a não ser se a mulher tiver problema grave de saúde ou feito várias cesarianas. Reversão da ligadura de trompas Geralmente a ligadura de trompas é feita com a intenção de ser permanente, e a maioria das pacientes fica satisfeita com a esterilização. A reversão tubária é uma microcirurgia para reparar o tubo de falópio depois da ligadura de trompas. Geralmente há dois segmentos remanescentes do tubo de falópio, os quais são conectados pela reversão tubária. Em pequeno percentual dos casos, o procedimento de ligadura de trompas deixa apenas a porção dista do tubo de falópio. Neste caso, uma nova abertura pode ser criada através do músculo uterino e o segmento remanescente do tubo inserido na cavidade uterina. A reversão tubária é feita por um cirurgião especialista, e tem alta taxa de sucesso com poucas complicações. A reparação bem sucedida dos tubos de falópio é atualmente possível para a grande maioria das mulheres que passaram pela ligadura de trompas.